domingo, 21 de junho de 2015

A preparar-me para ir ali perder países


"Sem dúvida, no mundo administrado e organizado à escala planetária a aventura e a miséria da viagem parecem limitadas; os viajantes de Baudelaire, partidos em busca do inaudito e dispostos a naufragar na sua surtida, encontram já no desconhecido, apesar de todos os desastres imprevistos, o mesmo tédio que deixaram em casa. Seja como for, movermo-nos é melhor do que nada: olha-se da janela do comboio que se precipita na paisagem, oferece-se ao rosto um pouco da frescura que desce das árvores do caminho, misturando-se à gente, e alguma coisa corre e passa através do corpo, o ar insinua-se entre as roupas, o eu dilata-se e retrai-se como uma medusa, um pouco de tinta transborda do tinteiro para se diluir num mar cor de tinta."

3 comentários:

Pedro Góis Nogueira disse...

Tenho este em fila para ser lido. Do que espreitei parece-me muito denso, profundo, interessante. Engraçado que comecei ontem o "A Volta ao Dia em 80 Mundos" de Cortázar, que se tem revelado entusiasmante e muito, muito bom - não creio que ao nível desse assombro do "Rayuela" (que não li) mas ainda assim talvez me obrigue a ler alguns dos outros - a amostra de contos "O Bestiário" não me entusiasmou particularmente se bem que tenha lá um ou outro daqueles marcantes :)

Madame Bovary disse...

olá, Pedro. Pois, não li os contos do Cortázar mas pelo que ouvi dizer a compilação do Bestiário não é a melhor para começar. Agora estou a ler o "Clases de Literatura", também dele. Quando terminar, partilho impressões.
beijinhos e bom fim de semana

António Jesus Batalha disse...

Passando pela net encontrei o seu blog, estive a folhear achei-o muito bom, feito com muito bom gosto.
Tenho um blog que gostava que conhecesse. O Peregrino E Servo.
PS. Se desejar fazer parte dos meus amigos virtuais faça-o de forma a que eu possa encontrar o seu blog para o seguir também.
Que haja paz e saúde no seu lar.
Com votos de saúde e de grandes vitórias.
Sou António Batalha.